Female Orgasm: All You Need to Know / Orgasmo Feminino Tudo Que Você Precisa Saber

Sharing is caring!

The Importance of the Female Orgasm / Clique Aqui para Portugues

Talking about orgasm is talking about women’s health. It’s almost like talking about brushing your teeth, only much more fun.

A friend told us that she had her first orgasm when she was 30 years old. She had married, divorced and remarried.

We decided to research the subject and realized that women not feeling orgasm is much more common than people think. According to Dr. Carmita Abdo of PROSEX – Human Sexuality Project at the Hospital das Clinicas in Sao Paulo – one third of Brazilian women have never had an orgasm, and a third of those can not have vaginal orgasm, only with clitoral stimulation.

In the US, men lose their virginity at an average age of 16 and women 17. Moreover, in general, 75% of men always reach orgasm while only 29% of women achieve the same (source: National Health and Social Life Survey).

According to the Planned Parenthood organization, 80% of women have difficulty achieving vaginal orgasm. Moreover, 43% of American women have some kind of sexual dysfunction.

In the 70s, researchers from Rio de Janeiro concluded that 62% of women did not come when having sex. Currently the situation is not very different, according to a recent research published by the Brazilian Society of Studies on Human Sexuality.

Psychologist and Brazilian psychoanalyst Dr. José Cardoso Nascimento is dedicated to studies related to women and orgasm and the importance of healthy and pleasurable sex. He concludes that the freedom of women – celebrates on March 8 – has been directed much “more to compete with men than to discover love”. He adds that many women are dissatisfied and confused emotionally. However, this is an important and underestimated factor for women to be happier in bed, in relationships and in life.

Dr. Born believes that there are four factors that contribute to the lack of female orgasm: 1) trauma and violence in childhood, 2) Oedipal relationship – often unconscious – in the triangle father-mother-daughter, 3) lack of knowledge of female genitalia until puberty, and 4) poor self-esteem. A woman with little self-esteem has difficulties to feel pleasure.

According to Dr. Abdo it is also important to remember that the question of orgasm may be linked to health issues such as depression, glandular and hormonal dysfunctions.

But why women have more problems than men to feel orgasm? Social, cultural, religious and moral factors are mainly responsible for this difference, usually not biological factors. In parts of Latin America, other developing countries and in Arab countries these “cultural” factors also influence very negatively the possibility of full sexual freedom for women.

For example, the practice of clitoris mutilation is still prevalent in more than 27 African countries, in Yemen, in Iraqi Kurdistan and at various locations in Asia and the Middle East, merely to keep a “good tradition”.

Regarding knowledge about their own sex, men play much more with their own sexual organ than women. Even to go to the bathroom a man must hold his genitals. Another survey says only 52% of Brazilian women claim to masturbate, compared with almost all men. Many women still act as if masturbation was a sin. This is one of those taboos which women need to get rid of to be happier.

According to Dr. Abdo, women quite often do not enjoy sex as much because they are concerned about looking beautiful for their partners and to satisfy men, instead of thinking also about themselves.

How Women Feel the Lack of Orgasm

Dr. Born believes that a sexually unsatisfied mother can pass it on to their children and to people in general. Women who do not feel orgasm can become more aggressive and even vindictive with the partner – as if blaming him for her lack of orgasm. Between us, if many women fake orgasm, how does that help the partner know that she is not feeling happy?

Women who settle with the lack of orgasm may end up somatizing and may have physical ailments caused by emotional factors. They may also divert the libido to the professional arena, feeling compensated with positions of power. This also applies to men.

How to Contribute to a More Enjoyable Sex Life

According to Dr. Nascimento, masturbation has a super important role in helping to understand how the body responds to sexual stimuli

Lack of orgasm is not the only problem. A survey conducted by the University of São Paulo found that many women have complained about lack of desire and feel pain during intercourse.

Some people find that there is no role for the partner in the quest for orgasm. We do not believe in this possibility. When you are with someone you love, you naturally want to see that person happy physically, mentally and emotionally. Here are some suggestions:

  • Encourage your partner to seek help with a therapist / psychologist
  • Stimulate intimacy with your partner together by gently exploring genital areas, without rushing, very calmly. Try and discover points that generate more pleasure for both. Try and have fun and forget about guilt.
  • Search together articles, books and other materials – including pompoir workshops, tantra, sex education for women.
  • Try having sex at the time of the month when women feel more pleasure, usually in the pre-menstrual period. At this time there is a testosterone increase and orgasms might be more intense and easier to reach.

According to the site Woman’s Day, here are some curious and important facts about orgasm:

  • Orgasm can reduce pain.
  • According to researchers at Indiana University, condoms do not affect the female orgasm, and of course they are important for health, in addition to preventing an unplanned pregnancy.
  • Knowing your G-spot may increase the chances of an orgasm. Not everyone believes in the existence of the G spot, but if you do, find your own.
  • Researchers argue that sexuality may improve with age. Up to a certain point, of course.
  • Women who mix oral sex and penetration and/or other forms, are more likely to experience orgasm.
  • In some cases, a woman can have an orgasm without genital stimulation. Click here to understand it.
  • Most women take longer to climax than a male partner. So do not be ashamed to ask him to wait a little bit so you can also reach orgasm.
  • Most important point: LOVE is much more important than orgasms. Do not transform your quest for an orgasm in an additional source of tension for the couple. An honest conversation is usually a good start.

VEnus Botticelli.jpg

A Importância do Orgasmo Feminino

Falar de orgasmo é falar de saúde da mulher. É quase como falar sobre escovar os dentes, só que bem mais divertido. 

Uma amiga nos contou que teve o primeiro orgasmo com mais de 30 anos. Já havia casado, separado e casado novamente.

Decidirmos pesquisar o assunto e percebemos que mulheres não sentirem orgasmo é mais comum do que se pensa.   De acordo com a Dra. Carmita Abdo do PROSEX – Projeto de Sexualidade do Hospital das Clinicas de São Paulo – um terço das mulheres brasileiras nunca tiveram um orgasmo. Entre as que tem orgasmos, um terço destas não consegue ter orgasmo vaginal – apenas o clitoriano.

Nos EUA, os rapazes perdem a virgindade com a idade média de 16 anos e as moças com 17 anos. Por outro lado, de modo geral, 75% dos homens sempre atingem o orgasmo enquanto apenas 29% da mulheres conseguem o mesmo (Fonte: National Health and Social Life Survey).

De acordo com a organização Planned Parenthood – Paternindade Planejada – 80% das mulheres tem dificuldade em atingir o orgasmo vaginal. Alem disso, 43% das mulheres americanas tem alguma disfunção sexual.

Na década de 70, pesquisadores do Rio de Janeiro concluiram que 62% das mulheres não gozavam. Atualmente a situação não é muito diferente, de acordo com pesquisas recentes divulgadas pela Sociedade Brasileira de Estudos Sobre Sexualidade Humana.

O psicólogo e psicanalista brasileiro Dr. José Cardoso Nascimento se dedica aos estudos relacionados a mulher e orgasmo – ou a falta dele – e a importância de uma relação sexual prazerosa e saudável. O psicanalista conclui que a liberdade da mulher – que tanto celebramos no Dia 8 de Março – tem sido direcionada muito “mais para competir com o homem do que para amar” ou ser amada. Que triste. Ele ainda acrescenta que muitas mulheres estão insatisfeitas e confusas emocionalmente.   Mas é um tema de importância real para que possamos ser mais felizes na cama, nos nossos relacionamentos e na vida.

O Dr. Nascimento acredita que há 4 fatores que contribuem para a falta de orgasmo feminino: 1) traumas e violências na infância, 2) relação de Édipo – não aparente – triangulo pai-mãe-filha, 3) falta de conhecimento dos genitais femininos até a puberdade, e 4) péssima auto-estima. Uma mulher com baixa auto-estima não se permite sentir prazer.

De acordo com a Dra. Abdo é importante lembrar que a questão do orgasmo pode estar ligada a questões de saúde, como depressão, disfunções glandulares e hormonais.

Mas por que as mulheres tem mais problemas que os homens em sentir orgasmo? Fatores sociais, culturais, religiosos e morais são os principais responsáveis por tal diferença. Em regiões da America Latina, em outros países em desenvolvimento e nos países de origem árabes esses fatores ainda influenciam muito negativamente a possibilidade de liberdade integral da mulher.

Vemos por exemplo as mulheres que tem seu clitóris mutilado. Essa prática, considerada “cultural” por alguns, ainda ocorre em mais de 27 paises africanos, no Iêmen, no Curdistão Iraquiano e em vários locais da Ásia e Oriente Médio para manter as “boas tradições”.

Com relação ao conhecimento do próprio sexo, o homem se toca muito mais do que a mulher. Até para ir ao banheiro o homem precisa segurar seu órgão genital. A mulher não. Outra pesquisa diz que apenas 52% das mulheres brasileiras afirmam se masturbarem, em comparação com a quase totalidade dos homens. A mulher ainda age como se a masturbação fosse pecado. Esse é um daqueles tabus dos quais a mulher precisa se livrar para ser mais feliz.

Segundo a Dra. Abdo, moças e mulheres muitas vezes não aproveitam tanto a hora do sexo porque estão preocupadas em parecer bonitas para o parceiro e em satisfazer a vontade do homem, ao invés de pensar em satisfazer também sua própria vontade.

Como a Mulher Sente a Falta de Orgasmo

 O Dr. Nascimento acredita que uma mãe insatisfeita sexualmente pode passar para os filhos a insatisfação com tudo e com todos. A mulher que não sente orgasmo pode se tornar mais agressiva e até vingativa com o parceiro – como se culpasse ele pela falta de orgasmo dela. Cá entre nós, se muitas mulheres fingem orgasmo, como é que isso ajuda o parceiro a saber que ela não está sentindo todo o prazer que poderia na relação sexual?

As mulheres que se acomodam com a falta do orgasmo acabam somatizando e podem ter doenças físicas de fundo emocional. Podem também desviar a libido para o lado profissional, se sentindo compensadas quando alcançam posições de poder. Isso também se aplica a homens.

Como Contribuir para Uma Vida Sexual Mais Prazerosa

De acordo com Dr. Nascimento, a masturbação tem um papel super importante ao ajudar a compreensão de como o corpo responde a estímulos.

A falta de orgasmo não é o único problema. Uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo descobriu que mulheres tem se queixado de falta de desejo e de sentirem dor durante a relação.

Algumas pessoas acham que não há nenhum papel para o parceiro na busca pelo orgasmo. Nós não acreditamos nessa possibilidade. Quando vc está com alguém por amor, naturalmente você quer ver aquela pessoal feliz fisicamente, mentalmente e emocionalmente. Se é isso que queremos, podemos ajudar. Seguem algumas sugestões:

  • Incentivar a parceira a procurar ajuda com um terapeuta/psicólogo
  • Estimular a intimidade com sua parceira, juntos explorar delicadamente a área dos genitais para juntos descobrirem pontos que estimulem mais o prazer para ambos.
  • Pesquisar juntos artigos, livros e outros materiais – inclusive workshops de pompoarismo, tantra, educação sexual para mulheres.
  • Tentar ter relações sexuais na época do mês que a mulher sente mais prazer, geralmente na época pré-menstrual. Nessa época há um aumento de testosterona e o orgasmo pode ser mais intenso e fácil de alcançar.

De acordo com o site Woman’s Day alguns fatos curiosos e importantes sobre orgasmo:

  • De acordo com especialistas, um orgasmo diminui dores em geral.
  • De acordo com pesquisadores da Indiana University, camisinha não afeta o orgasmo feminino, e claro é super importante para a saúde, alem de prevenir uma gravidez não planejada.
  • Conhecer seu ponto G aumenta as chances de orgasmo. Nem todo mundo acredita na existência do ponto G, mas se você acredita, encontre o seu!
  • Quanto mais idade melhor. Pesquisadores dizem que com a idade a vida sexual vai ficando ainda melhor e que temos orgasmo com mais freqüência e com melhor qualidade.
  • Mulheres que misturam sexo oral e penetração e/ou outras modalidades, tem mais chance de sentir o orgasmo.
  • Em casos raros, a mulher pode ter orgasmo sem estimulação genital.
  • A maioria das mulheres leva mais tempo para chegar ao clímax do que o seu parceiro. Então, não tenha vergonha de pedir pra ele esperar um pouquinho para que vc também possa alcançar o orgasmo.
  • O ponto mais importante: o AMOR é mais importante que orgasmos. Não transforme a busca pelo orgasmo em uma fonte adicional de tensão para o casal. Uma conversa honesta é sempre um bom começo.

 

 

Leave a Reply